Fertirrigação do chá: Alimentação de precisão

A fertirrigação é a distribuição de fertilizantes solúveis em água por meio de irrigação por gotejamento. Pense nisso como uma nutrição de precisão. Os nutrientes são concentrações diluídas de, principalmente, potássio, nitrogênio e fósforo. A fertirrigação fornece a dosagem certa no momento certo na quantidade necessária para a cultura alvo. O sistema de distribuição é um conjunto de bombas e válvulas que alimentam pequenos canos para direcionar os nutrientes para as raízes das plantas. Os tubos podem ser subterrâneos ou superficiais.

A fertirrigação é parte de um movimento abrangente e urgente para a agricultura de precisão, que aplica tecnologia para restringir todo uso de recursos escassos para identificar a precisão. Os drones, agora, podem ter como alvo plantas individuais para tratamento de água e pesticidas ou remoção de ervas daninhas. Sensores eletroquímicos são capazes de detectar íons específicos no solo e identificar argila, matéria orgânica e teor de umidade. Modelos neurais de inteligência artificial estão começando a detectar com precisão os sintomas da doença em uma única planta a partir da luz eletromagnética invisível ao olho humano.

A contribuição direta da fertirrigação para a agricultura de precisão é dupla: (1) uso de fertilizantes e (2) resposta à escassez de água.

A irrigação aumenta a produção de chá entre 3,5 e 6 toneladas métricas por hectare, de acordo com o NETAFIM. O jardim de chá Pasuppara do grupo AVT, instalou este sistema automatizado de irrigação por gotejamento em 2010. Foto cedida pela NETAFIM.
Este sistema de irrigação por gotejamento é usado para mudas no viveiro. Manter as plantas de chá saudáveis com nutrição de precisão e sem estresse hídrico reduz o tempo de produção da planta para o comércio, levando a um lucro mais rápido.

Fertilização de Chá
A composição química dos fertilizantes do chá exige que sejam pré-diluídos para mantê-los em suspensão, tornando-os mais fracos e com baixa concentração. A fertirrigação regula o equilíbrio, reduzindo o volume e o custo do fertilizante, garantindo robustez e eficácia. Esta não é uma simples questão de despejar e mexer, mas envolve equações matemáticas de proporção específicas da situação e do equipamento. Nem os nutrientes estão confinados à combinação de NPK(Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K); uma linha de desenvolvimento é o uso de resíduos de chá de compostagem como fertilizante orgânico. O principal requisito é que o nutriente seja solúvel em água. Ele pode então ser misturado, gerenciado, filtrado, injetado e programado com precisão, não amplamente.

Irrigação

Também reduz o uso de água. Este último está rapidamente ganhando prioridade na agenda política global e na prática agrícola. Em muitas regiões da Ásia e da África, a escassez de água está em um nível de crise. Secas, mudanças nas chuvas sazonais e déficits de água são comuns, não excepcionais. Isso está acontecendo em um contexto de queda no rendimento das safras, quando a maioria das estimativas é de que a produção agrícola deve aumentar em 70% na próxima década para atender às demandas de crescimento populacional.

 

Sistema de irrigação automatizado no jardim de chá Pasuppara em Kerala, Índia. Foto cedida pela NETAFIM

É aqui que o componente de irrigação da fertirrigação entra em jogo. Não é novo em conceito ou prática e é basicamente sistemas de encanamento. É uma maneira mais precisa de regar as plantações do que a tradicional pulverização e aspersão. Eles têm muitas ineficiências. Na estação seca, eles podem causar estresse no solo e aumentar a erosão. Nos úmidos, eles criam alagamento e escoamento e podem lixiviar os produtos químicos. Os aspersores suspensos são imprevisíveis e erráticos em sua precisão e pressão. Eles distribuem fertilizantes (e pesticidas e fungicidas) de forma ampla, não precisa. Você pode literalmente ver a água sendo desperdiçada. A Netafim, a maior empresa indiana de serviços de irrigação, relata que a irrigação por inundação atinge apenas 30% da terra, os aspersores 60% e a irrigação por gotejamento 90%.

A ciência e a prática da fertirrigação estão bem estabelecidas, com uma base de experiência que remonta a décadas. O núcleo é a irrigação por gotejamento. O objetivo é colocar água diretamente na zona da raiz e minimizar a evaporação – alimente a planta, não o solo. Às vezes, é apropriadamente denominado irrigação por gotejamento. Isso pode economizar água e nutrientes, permitindo que a água goteje lentamente para as raízes das plantas, seja acima da superfície do solo ou por meio de canos enterrados abaixo dela.

O resumo clássico e amplamente referenciado dos benefícios econômicos da fertirrigação do chá foi publicado em 2008, mas com base no trabalho iniciado em 2003 na Tanzânia. Ele aplicou quatro esquemas e identificou um esquema e fluxo de nutrientes ótimos, após os quais houve declínio nos retornos.

Os sistemas de irrigação reduzem o uso de água em até 50% em comparação com a irrigação por inundação, reduzem os custos de mão de obra e aumentam os rendimentos. Cálculos econômicos mostram que a irrigação de precisão é o sistema mais sustentável para a plantação de chá a longo prazo, proporcionando maior retorno econômico do que outros métodos, de acordo com o NETAFIM.

O chá é a quinta maior safra de exportação da Tanzânia, gerando US $ 30 milhões em divisas. Cerca de 20% dos jardins usam irrigação por aspersão, muitas vezes sujeita a ventos fortes que dispersam o fluxo de água. Quase todo o resto vem da chuva – “irrigação por inundação”. A irrigação por gotejamento duplica a produção de folhas verdes de qualidade colhível.’

Os depoimentos da Tanzânia para fertirrigação são consistentes e convincentes. O problema óbvio é a expertise em financiamento e gerenciamento. O subsistema de uma fazenda de 635 hectares no teste consistia em uma unidade de bomba, unidade de filtração e injeção de fertilizante, válvulas de bloqueio e tubos de gotejamento de superfície abrangendo duas fileiras de arbustos. Isso foi aprimorado, mas fornece uma linha de base para uma configuração padrão.

Aqui estão alguns exemplos de benefícios:

-O rendimento médio para arbustos de 3 anos aumentou 25%. Para as plantas de 4 anos, era 48% e 52% para as de 5 anos.
-A economia de mão de obra foi de 48% e a redução de energia de 16% em relação aos sprinklers. Os custos de fertilizantes foram menores em todas as instâncias. Foi necessária menos remoção de ervas daninhas. —Os brotos se regeneram mais rápido e a mortalidade do arbusto é reduzida.
-Outros estudos de caso mostram ganhos comparáveis:
-No sul da Índia, uma extensa horta de chá aumentou sua produção de 3.500 quilos para 5.000 em quatro anos e para 7.000 em nove. O proprietário relata uma melhora visível na saúde das plantas. Um desenvolvimento de três anos no Sri Lanka dobrou os rendimentos.
-Outro estudo sobre os impactos clonais do chá também relatou uma duplicação.
-Vários projetos de bioconversão mostram indicações promissoras na conversão de esterco de vaca e resíduos de chá em microorganismos solúveis para distribuição de fertirrigação.

Testador de medidor de pH digital em fertilizante em mistura de saco para hidroponia industrial para o cultivo de plantas em uma fazenda hidropônica

O custo dos sistemas de fertirrigação é de cerca de US $ 9 por hectare. Para um pequeno proprietário, o investimento estimado é de cerca de US $ 4.000. A lista de preços das máquinas automáticas de fertirrigação em escala comercial gira em torno de US $ 6.000. Habilidade de gerenciamento é o principal fator limitante no planejamento, operação e benefícios. A fertirrigação envolve supervisão cuidadosa, manutenção e julgamento.

Os sistemas de fertirrigação são facilmente escaláveis ​​e seus componentes modulares permitem a incorporação de novas tecnologias de forma rápida e incremental. Desenvolvimentos em andamento exploram sensores sem fio para captura de imagem de drones que fornecem detalhes sobre terreno, solo, manchas de ondulação, níveis de pH, umidade e muitos outros fatores que podem ser inseridos nas misturas de fertirrigação e injetores. O aprendizado de máquina de retropropagação pode criar padrões com base na experiência que podem ser vinculados aos sistemas de fertirrigação para ajuste em tempo real e avisos antecipados. Uma gama crescente de softwares de fertirrigação desenvolve receitas para nutrição, procedimentos para lidar com comprimentos de tubos variados, entupimento e filtração e programação. Isso, novamente, requer novas habilidades de gerenciamento.

A fertirrigação será evolutiva em sua expansão pelos terrenos dispersos, fragmentados, remotos e variados do cultivo de chá. Mas é um vencedor certo e uma oportunidade agora, que se tornará uma necessidade conforme a mudança climática acumula seu impacto.

70% de toda a água doce do mundo vai para a irrigação de lavouras agrícolas. Desde 2000, a taxa de degelo do Himalaia dobrou.

By Peter G.W.Keen para tea Journey em 14/01/2020.

COPYRIGHT 2020 Tea Journey – Todos os direitos reservados

Para ler o artigo original em inglês, clique aqui.
Clique aqui para se inscrever gratuitamente na Tea Journey (nosso colaborador e a melhor revista sobre chá).

Declaração Importante:
Embora a “Tea Friends” tenha permissão para as publicações da “Tea Journey” em seu conteúdo, todos os outros direitos são reservados à Tea Journey.
“Copyright 2020 Tea Journey – Todos os direitos reservados” 

Tradução livre: Elizeth R.S.v.d.Vorst

Written By
More from Peter G.W.Keen
“Revolução dos Salões de chá”- do livro “Heroines of Tea” de Peter G.W.Keen
Os salões de chá são retratados romanticamente como locais aconchegantes e agradáveis...
Read More
0 replies on “Fertirrigação do chá: Alimentação de precisão”