Histórico Ceilão- por Anne Marie Hardie

O Sri Lanka é um paraíso para os amantes do chá e para os turistas.

Das cores vibrantes e da cultura de Colombo às tranquilas encostas de Kandy, o Sri Lanka é um paraíso para os amantes do chá e para os turistas. Formalmente conhecida como Ceilão, esta ilha do sul da Ásia no Oceano Índico está localizada a 32 quilômetros a sudeste da Índia. Suas praias deslumbrantes, vida selvagem exótica e rica história proporcionam o cenário ideal para uma jornada de descoberta.

O Sri Lanka é notavelmente adequado para o cultivo de uma variedade de chás. As diferenças sazonais em todo o Sri Lanka trazem uma variedade de aromas, sabores e cores, desde a xícara encorpada de Kandy até o chá UVA exoticamente aromático que Sir Thomas Lipton introduziu pela primeira vez na América.

“Cada um dos 26 subdistritos tem suas próprias características, incluindo altitude, clima, tipo de cultivar e métodos de cultivo, oferecendo ofertas exclusivas ao consumidor inigualáveis ​​por qualquer outro produtor”, diz Spencer Manuelpillai, gerente sênior de marketing de marca da Dilmah Tea.

O Sri Lanka completou 150 anos em 2017 e merece elogios não apenas pela qualidade de seu chá, mas por seus investimentos em sustentabilidade e inovações em mistura e embalagem. Orgulhosos de sua história e futuro, os eventos começaram no início daquele ano com a revelação do busto de James Taylor e uma exposição de chá na casa Priory em Dunstable, Bedfordshire, Reino Unido, que revela toda a história de como Taylor foi pioneira na produção comercial para salvar o país da ruína financeira.

Do grão à folha

A história do Ceilão começa estranhamente, com café. O cultivo atingiu o pico em 1870 com mais de 275.000 acres (111.000 hectares), tornando-se uma das três principais regiões produtoras de café do mundo.

Os holandeses introduziram o café durante a década de 1850 e a cereja do café floresceu nas colinas do Ceilão, atraindo interesse e investimento das colônias britânicas. Foi apelidado de “corrida do café”. Um desses indivíduos foi um escocês, James Taylor, que chegou ao país em 1852 para trabalhar em uma plantação de café local. Trabalhador duro, Taylor foi encarregado da propriedade Loolecondera, onde cultivou diligentemente esta preciosa colheita.

Inovador, Taylor viajou para a Índia, onde pesquisou o cultivo e processamento de chá. Curioso se essa cultura prosperaria no Sri Lanka, Taylor trouxe algumas sementes e as plantou em um pequeno terreno na propriedade. Mal sabia ele que essa nova safra seria a salvação do país.

Na década de 1880, “Devastating Emily”, uma epidemia de fungos conhecida como ferrugem da folha do café, destruiu 90% dos cafezais do país, deixando apenas 11.000 acres ilesos. Enquanto isso, as plantas de chá de Taylor estavam prosperando. Durante este período, Taylor processou as folhas com sua própria fábrica e maquinário e enviou sua primeira amostra de chá para o Leilão de Chá de Londres em 1875. Naquela época havia 26 propriedades registradas. Dez baús cheios de chá foram colocados à venda.

O chá foi um sucesso. Em 1884, o Ceilão havia consignado 2,5 milhões de libras de chá para Londres e, três anos depois, o número havia aumentado para 15 milhões. Dentro de uma década, o país voltou à prosperidade. O chá permaneceu a principal fonte de receita do Sri Lanka até o início da década de 1980. “Graças ao chá, temos estradas, ferrovias e negócios prósperos”, disse Michael De Zoysa, presidente da Colombo International Tea Convention, Colombo, Sri Lanka.

Ao longo dos anos, disse De Zoysa, o chá do Ceilão teve uma jornada interessante, começando com as enormes plantações de propriedade britânica, incluindo as do milionário Thomas Lipton – até o retorno de pequenos proprietários e empresas de propriedade e operadas do Sri Lanka. “Thomas Lipton costumava chamar o Ceilão de seu jardim de chá”, disse De Zoysa.

“O chá do Ceilão tem uma história fascinante”, diz Mike Bunston, honorável embaixador do chá no Sri Lanka, Reino Unido. “Quando entrei no negócio do chá em 1959, o Ceilão representava 40% de todo o chá importado para o Reino Unido. Contudo; quando o chá foi nacionalizado, muita coisa mudou. Hoje, aproximadamente 1% do chá no Reino Unido é do Ceilão.”

O chá do Ceilão continua a ser extremamente importante para a indústria do chá em todo o mundo. Aproximadamente 70 por cento do chá é cultivado em campos de pequenos proprietários, com o Oriente Médio, incluindo Turquia, Irã, Iraque e Rússia, seus principais clientes comerciais. Hoje, aproximadamente 68% do chá do Sri Lanka é exportado, principalmente para misturar em saquinhos de chá. No ano DE 2016, o chá do Sri Lanka alcançou o preço médio mais alto em leilão de qualquer país produtor, em US$ 3,06 por quilo, uma ligeira melhoria da média por quilo do ano passado de US$ 3,04.

Os chás especiais apresentam uma nova oportunidade para o Sri Lanka comercializar sua folha premium ortodoxa distinta na América do Norte e no Reino Unido.

Chá “Premium” do Sri Lanka
Viajar pelos jardins

Focados na sustentabilidade, os chás do Ceilão são alguns dos chás mais puros do mundo. Todo o chá cultivado e processado no Sri Lanka é certificado como amigo do ozônio, identificado pelo logotipo “Ozone Friendly Pure Ceylon Tea”. “Estamos orgulhosos em compartilhar que o chá do Ceilão é o primeiro e atualmente o único chá sem ozônio do mundo”, disse Chaminda Jayawardana, diretora administrativa da Lumbini Tea Factory, Sri Lanka. “Nosso chá está livre de todos os gases prejudiciais ao ozônio da planta à xícara”, disse ela. Disse que a indústria apóia os planos de proibir o uso de brometo de metila em embalagens de remessa e exportação.

O país tem investido em diversas iniciativas de sustentabilidade para tratar dessa questão. Um exemplo é o estudo de pesquisa Tea 2016 da Dilmah que investiga a aplicabilidade e a função do biochar, um melhorador de solo rico em nutrientes, para restaurar o solo esgotado. Como parte deste estudo, o biochar foi aplicado a várias das plantações de Dilmah, incluindo a propriedade de Rilhena, as plantações de Kahawatte e a propriedade de Endana. Até o momento, os resultados têm sido positivos. As primeiras descobertas sugerem que o biochar melhorará o rendimento e a qualidade do chá.

O Sri Lanka tem uma capacidade sofisticada de “valor agregado” para o processamento profundo de chá em várias formas, incluindo solúveis e concentrados; capacidades avançadas de enchimento e embalagem e mistura com estreita aderência à qualidade. As especialidades incluem misturas de fonte única usando métodos tradicionais, incluindo chá colhido à mão.

Dalu Tea Room – Deniyaya, Sri Lanka
Visitando o Sri Lanka

A melhor maneira de experimentar a elegância e entender a história única dos jardins de chá do Ceilão é visitá-los. O Sri Lanka abriu seu coração e suas portas para o turismo do chá, acolhendo os amantes do chá e historiadores para explorar seus jardins, fábricas e museus. Quem viaja para a ilha, que tem 272 milhas de comprimento e 140 milhas de largura, desfrutará de degustação, belas vistas e uma estadia em um dos vários bangalôs de chá, todos com vistas deslumbrantes das plantações de chá. Os visitantes podem passar algumas horas ou mergulhar totalmente na experiência de ficar em acomodações elegantes nessas plantações.

Vários oferecem passeios curtos, incluindo Dambatenne Tea Factory em Haptule, onde os visitantes podem aprender sobre o processamento de chá na fábrica estabelecida pelo próprio Thomas Lipton. Após o passeio, faça uma caminhada até o assento de Lipton e experimente o espetacular mar de vegetação que o próprio Lipton viu ao supervisionar sua plantação. A Fábrica de Chá Halppewatte, na região de Uva, abriu suas portas aos visitantes, proporcionando um passeio passo a passo do processamento do chá e uma experiência de degustação de chá em seu Sky Café.

Para os turistas que procuram uma experiência mais prática, a Rickshaw Travel oferece aos turistas uma experiência de chá de 2 dias e 1 noite. Viaje para Nuwara Eliya, onde você aprenderá a colher chá com um colhedor local, visitará a fábrica de chá e, é claro, encerrará a jornada com uma degustação. No dia seguinte, você experimentará a beleza da geografia do Sri Lanka viajando para o Parque Nacional Hortons Plain e encerrando sua jornada no World End.

Tradução livre : Elizeth R.S. v.d.Vorst

COPYRIGHT 2020 Tea Journey – Todos os direitos reservados
Para ler o artigo original em inglês, Clique aqui e se inscreva gratuitamente na Tea Journey (nosso colaborador e a melhor revista sobre chá).

Declaração Importante:
Embora a “Tea Friends” tenha permissão para as publicações da “Tea Journey” em seu conteúdo, todos os outros direitos são reservados à Tea Journey.

“Copyright 2020 Tea Journey – Todos os direitos reservados”

Written By
More from Tea Journey
Chá da Montanha Huangshan- por Sia Yu
Durante séculos, no sudoeste de Anhui, a Montanha Huangshan conquistou os amantes...
Read More
0 replies on “Histórico Ceilão- por Anne Marie Hardie”