O Gerenciamento remoto de um jardim de chá

Remote Farming
Gerenciando um jardim de chá a 12.000 quilômetros de distância

Tea over the East River
Chá e ao fundo o Rio East (New York).

Na segunda-feira, às 5 da manhã, Nishchal Banskota acorda para começar seu trabalho. Ele é um agricultor de chá de segunda geração do Nepal, agora administrando o Nepal Tea nos EUA e aconselhando / gerenciando remotamente o famoso Jardim de Chá Kanchanjangha. Ele está se reunindo com um grupo de pessoas, incluindo seu pai, Deepak Prakash Baskota, o presidente da empresa de 74 anos, o supervisor da fábrica, o contador, o supervisor de jardim e suas irmãs, que também fazem parte da propriedade. Em uma hora, os problemas são discutidos, as tarefas são atribuídas, as metas são avaliadas e a reunião é concluída. Após a reunião, Nishchal aprecia a vegetação em sua vizinhança imediata. Ele prepara uma xícara de chá preto Kanchanjangha 2019 (que ele batizou de Moonlight Black), lamentando que seu estoque esteja diminuindo e pode demorar um pouco até que ele consiga mais. Lá fora, as luzes piscam no horizonte de East Manhattan, passando pelo East River. Ainda está escuro, mas acordando, como só a cidade de Nova York pode demonstrar.

A pandemia criou para muitos, novas maneiras de trabalhar. Portanto, para Nishchal, isso o tornou um fazendeiro remoto. Nishchal descobriu, que de sua casa em Long Island, relamente pode funcionar sua conexão com sua família e colegas no distante Nepal.

Nishchal disse: “Quando a pandemia começou, eu estava muito nervoso. Não saímos por 55 dias. A cidade de Nova York foi o epicentro. Todas as atividades comerciais foram encerradas. A unidade de exportação foi fechada. Nossos chás foram produzidos, mas não estavam se movendo. Não tínhamos exportações, nem ideia do que fazer. ” Mas com as exportações em queda e os negócios em baixa, ele tinha muito tempo disponível. Com grande visão, ele decidiu se concentrar em como eles estariam de volta quando os bloqueios terminassem e os negócios pudessem ser retomados. Ele falou com seu pai e três de suas irmãs que estão envolvidas no negócio (Nishchal é o caçula de oito irmãos) e eles decidiram se encontrar online todas as quartas-feiras.

As primeiras reuniões foram bem … Nishchal queria que todos compartilhassem por que cada um estava no negócio do chá e quais eram suas aspirações. “Fiquei surpreso por pertencermos à mesma família, mas não sabermos o que cada um de nós queria. Foi a primeira vez que articulamos o que o chá era para nós. ”

Houve muita conversa, planejamento e idéias, e então veio a tarefa de colocar os novos planos em ação. “A beleza e a dura realidade de estar em uma empresa familiar”, admite Nishchal, “é que você não pode dizer quem está monitorando o outro”. Sem uma única pessoa para liderar, todos estavam fazendo tudo. Logo, Nishchal, com seu diploma em administração, foi encarregado de liderar a equipe.

Um pouco de sua história

Em 2015, logo após terminar a faculdade em New Hampshire, o Nepal sofreu um dos piores terremotos da história recente. Nishchal voltou a ser voluntário por 3 meses. Antes que seu tempo acabasse, ele decidiu que queria trabalhar no negócio de chá da família.

“Pense nisso”, aconselhou seu pai. “É fácil entrar no negócio do chá, mas você não consegue sair.” Embora não tenha entendido exatamente o que seu pai quis dizer, Nishchal passou nove meses no Nepal, a maior parte na fazenda de chá e seus escritórios em Katmandu. Uma de suas irmãs estava trabalhando na simplificação da distribuição doméstica do chá, que lutava contra a mistura indiscriminada. O Grupo Baskota, sob seu comando, tornou-se o braço de marketing exclusivo da Kanchanjangha Tea no Nepal. Nishchal se juntou a ela.

Jardim de Chá kanchanjangha

Em 2016, ele voltou a Nova York e montou a Nepal Tea LLC, para criar uma identidade para os chás da região e iniciar as exportações. Tudo estava indo bem, exceto que seu pai queria que ele estivesse na fazenda no Nepal. “Não conseguia encontrar tempo para fazer isso”, diz ele. Cada vez que pai e filho falavam, uma pergunta era: “Você pode vir e administrar a fazenda aqui? Eu vou te pagar bem. ”

Seu pai podia visitar a fazenda apenas uma vez em dois meses, e Nishchal percebeu que essa indisponibilidade não estava ajudando a equipe no terreno. A produção diminuía a cada ano, e o futuro da propriedade estava “nas mãos de Deus”,

E então a pandemia chegou.

Nesse periodo, falando semanalmente com a família, o problema a resolver era diminuir a produção. A redução da mão de obra foi considerada. Nishchal começou a trabalhar com seu contador (mais de Zoom) entre Nova York e o Nepal todos os dias. Juntos, eles analisaram os dados de 11 anos e chegaram à conclusão de que a produção diminuiu quase 50% em 11 anos, mas a mão de obra diminuiu apenas 23%. Eles também descobriram que havia irregularidades entre alguns funcionários, que ninguém estava monitorando a taxa de recuperação ou quanta folha verde estava entrando e quanto chá estava sendo produzido.

Quebrando barreiras para aumentar eficiência

“Estou inspirado por Jack Stack, autor de The Great Game of Business”, diz Nishchal. É uma leitura quase obrigatória para sua equipe atualmente, pelo método que endossa – o Método do Livro Aberto. Ele chama isso de uma virada de jogo. O Nepal, como grande parte do sul da Ásia, tem uma cultura que se baseia em hierarquias. Existem barreiras embutidas entre a administração e os agricultores. É uma velha maneira de ser e trabalhar e Nishchal estava tentando quebrá-la ou pelo menos preencher a lacuna.

Para as reuniões semanais, ainda eram convidados os familiares, o contador, o gerente da fábrica, o gerente do jardim, o produtor de chá e o supervisor do jardim. Os moradores da fazenda receberam telefones celulares com dados móveis para poderem atender a ligação. Diz Nishchal: “Inicialmente, a reação foi, vamos alegrar o filho do presidente. Levaria cerca de 45 minutos antes que todos estivessem no Zoom. Foi frustrante. ” Mas não demorou mais do que algumas reuniões antes que a equipe começasse a levá-lo a sério. E Nishchal começou a dar a todos metas e números, desde a qualidade da folha e a porcentagem até a taxa de recuperação e pedidos.

                                                                                                    Colheita em Kanchanjangha

As reuniões agora seguem um padrão. Todas as segundas-feiras, eles começam com a horta e cobrem todo o ciclo de vida da produção. Problemas são expostos, tarefas atribuídas, soluções oferecidas, metas definidas. Mais importante para Nishchal, todos se falam regularmente. Há uma nova energia, diz ele.

Ele fala sobre Jack Stack e motivação. Incentivos foram introduzidos, mesmo que seu pai precisasse ser convencido sobre isso. A meta para o ano era aumentar em 25% a qualidade da produção. Eles esperavam alcançá-lo em novembro de 2020, mas cumpriram a marca em outubro, tornando 2020 o ano de maior produção em seis anos. “Todo mundo está ganhando um grande bônus”, diz Nishchal.

Fazendo uma lista de desejos

A equipe também começou a planejar um fundo de emergência em março. Não havia muitos casos de COVID-19 no Nepal na época, mas ele sentiu que iria piorar. A Nepal Tea Foundation foi criada como uma organização sem fins lucrativos e os preços de seu chá foram aumentados em $ 1. Esses fundos gotejaram para a Fundação e, quando o país experimentou o pior dos casos, amorteceu o impacto para gerir salários e ajuda médica.

Mas nem tudo são números para Nishchal. Ele prossegue dizendo: “Quero ver meus fazendeiros sorrindo”. Então, ele enviou seus gerentes para descobrir o que sua equipe em campo queria, quais eram suas aspirações, quais eram seus desejos. Duas semanas depois, o gerente voltou com dois pedidos: a equipe queria mais reuniões sociais e, segundo, eles desejavam viajar para alguns lugares famosos no Nepal, já que a maioria deles nunca tinha viajado para além de sua aldeia.

Seleção de chás em Kanchanjangha / Sinais dos tempos: uso de máscaras

Parece ter acertado em cheio com Nishchal. Um piquenique mensal foi fácil de organizar, mas Nishchal já sonha em alugar um grande ônibus para levar sua equipe em uma excursão pelo Nepal. Ele pediu o mesmo ao pessoal de sua unidade de exportação. Muitas aqui são mulheres idosas analfabetas e agora expressam o desejo de aprender a ler e escrever. Existem planos para iniciar as aulas de alfabetização.

No Dia dos Pais de 2020, a família se reuniu através do Zoom, entre os EUA e o Nepal. O presente de Nishchal é que ele fará o que for preciso para que seu pai possa se aposentar nos próximos dois anos. Agora, confiante de que a distância não precisa afetar os negócios, a família está mais ocupada do que nunca.

Kanchanjangha , Nepal
O fazendeiro remoto

“A pandemia foi a pior coisa que aconteceu, mas houve uma fresta de esperança. Mudou radicalmente a forma como trabalhamos. Se não fosse uma pandemia, eu nunca teria pensado em uma conexão com Zoom ”, disse Nishchal, durante nossa ligação entre Long Island, nos EUA, e Bangalore, na Índia. É de manhã cedo para mim e o fim do dia para ele. “Tenho mais confiança de que posso administrar uma fazenda remotamente”, diz ele. “Eu não posso deixar isso agora. Meu pai estava certo. É muito difícil sair. Esta é minha vida agora. Eu não acho que farei mais nada. Eu sou um outro tipo de fazendeiro.”

Tradução livre : Elizeth R.S. v.d.Vorst

COPYRIGHT 2020 Tea Journey – Todos os direitos reservados
Para ler o artigo original em inglês, Clique aqui e se inscreva gratuitamente na Tea Journey (nosso colaborador e a melhor revista sobre chá).

Declaração Importante:
Embora a “Tea Friends” tenha permissão para as publicações da “Tea Journey” em seu conteúdo, todos os outros direitos são reservados à Tea Journey.

“Copyright 2020 Tea Journey – Todos os direitos reservados”

More from Aravinda Anantharaman
F- Falap
Muitas pessoas pensam que a cultura indiana do chá tem a ver...
Read More
0 replies on “O Gerenciamento remoto de um jardim de chá”