Por que o chá é tão especial?

É difícil descrever a natureza especial do chá. Talvez a melhor palavra seja evocativa. Obviamente, evoca o que chamamos de experiência do chá. Isso provém das inesgotáveis ​​variedades no mercado hoje( aproximadamente 3.000), com diferentes sabores, texturas e nuances. Soma-se a tudo isso a extraordinária diversidade de conjuntos de chá de porcelana, bules, samovares e talheres e pelas muitas culturas de eventos, hospitalidade e serviço de chá. Há uma expansão da bebida para algo muito maior.

E o “muito maior” se estende por tantas dimensões da história, ciência, geopolítica, medicina, literatura, comércio, religião, guerra, clima, cerimônia, direitos das mulheres, nutrição, desenvolvimento econômico, colonialismo e até design.. Existem muitas histórias, lendas, lições e temas substantivos ainda relevantes e ressonantes. Escolhi alguns.

Comércio: a estrada de 3.000 milhas para Tea Horse Road da China antiga; a rivalidade holandesa e inglesa pelo controle das rotas de comércio marítimo; o enorme contrabando de chá com o líder holandês; a criação da indústria de exportação de chá do Japão por uma jovem solteira em Nagasaki; a ascensão e erosão do Japão como principal fornecedor americano de navios baleeiros, a ideia do transportador de carga; os muitos novos padrões e participantes da competição global de hoje.

Desenvolvimento social: as verdades e mitos do chá visando evocar suas associações aristocráticas; o chá como mais uma história da pobreza e de dar pena; a dependência do chá nos sacrifícios das esposas irlandesas para garantir a força de seus maridos e a saúde de seus filhos; a sala de chá como um recurso essencial nos movimentos dos direitos das mulheres; os esforços contínuos de hoje para trazer justiça e segurança aos milhões de trabalhadores nos campos de chá.

Medicina e saúde: as tradições sempre vibrantes da medicina chinesa e ayurvédica datam de milênios; os longos esforços para provar os poderes preventivos e curativos do chá verde; as novas descobertas dos compostos moleculares individuais no chá que demonstram efeitos poderosos no nível celular e genético do corpo; o papel do chá no fim do flagelo mais longo e mais mortal da história: a água, o portador de disenteria, febre tifóide e cólera e a transformação do crescimento populacional e da segurança urbana.

Guerra: a dependência de dois mil anos do império chinês na trocar chá pelos cavalos de guerra que lhes faltavam; o surgimento da cerimônia do chá, mestre de chá e salão de chá como núcleo do ethos do samurai; as Guerras do Ópio, impulsionadas pela necessidade da Grã-Bretanha de tomar chá da China sem produtos comercializados que a China queria; as campanhas da Segunda Guerra Mundial que interromperam o avanço japonês nos campos de chá de Assam e o verdadeiro heroísmo de tantos trabalhadores indianos; o amor pelo chá entre tantos grandes comandantes – Napoleão na França, Hideyoshi do Japão, George Washington, Wellington e Genghis Khan.

Literatura: o uso de chá por Charles Dicken para capturar a dignidade dos pobres e seu orgulho sobre a hospitalidade que eles poderiam oferecer; O brilhante destaque de Edith Wharton sobre seu papel nos rituais ossificantes dos ricos de Nova York; a empatia por pessoas de todos os tipos e posição social que um dos mais gentis e decentes dos grandes escritores, Anton Chekhov, expressou através de referências ao chá; a importância do chá na premiada ficção científica de Ann Leckie; Anna Akhmatova, a poeta russa titânica da era de perseguição de Stalin, campos de prisioneiros, pobreza – e de chá.

Navios: as naus portuguesas que substituíram 2.500 anos das galés, e que assim, abriram viagens através do mar aberto para o primeiro comércio de chá para a Europa; os navios de carga armados na Índia; os veleiros de chá construídos para acelerar; os barcos contrabandistas.

Louça: séculos de esforço da Europa para substituir o monopólio da China em vasos de argila; cerâmica, porcelana, porcelana fina de ossos; os grandes designers e colecionadores, como Catarina, a Grande, Napoleão, Meissen, Wedgewood, Spode; o surgimento da colher de chá como medida médica e culinária universal; os bules Brown Betty, argila Yixing, samovar, louças centenárias japonesas em ferro; a desconcertante variedade de infusores modernos, máquinas para o preparo de chá,  máquinas com inteligência artificial e robôs amplamente malsucedidos.

Líderes da indústria: Mary Tucker, a primeira grande varejista, perseguida e ameaçada de prisão por sua temeridade como mulher se intrometendo nos negócios; Thomas Lipton, o precursor de Sam Walton; Ruth Bigelow, a verdadeira criadora do chá aromatizado atribuído pelo mito e pelo hype a Earl Grey; a família Lyons, que foi a precursora da Starbucks ao tornar o ambiente, o serviço e a qualidade essenciais para o desfrute de chá pelos povos britânicos comuns; a família Twining começando com Thomas, o grande “blender”, seguido por Daniel, Mary e Richard; os fundadores das grandes empresas francesas Mariage Freres, Kusmi, Damman Freres; Catherine Cranston, a amada criadora de salões de chá de excelente design e serviço para a classe trabalhadora de Glasgow que estabeleceu novos padrões em todas as áreas.

Cada um desses temas evoca tempo, personalidades, tópicos interessantes e consequente impacto nas regiões, países e comunidades. Dezenas mais podem ser adicionados. Estes incluem os criadores e criações de novos tipos de chá: chás, chás de ervas, aromas botânicos, chás de queijo, chá gelado e kombucha.

Acrescente as personalidades da história para as quais o chá era uma parte importante de sua vida e frequentemente um veículo para sua influência: George Washington, John e Abigail Adams e Dolly Madison na Casa Branca; Elizabeth Cady Stanton, a gigante intelectual do movimento pelos Direitos da Mulher que sempre viajava com sua mesa especial de serviço de chá, Susan B. Antony, sua amiga e voz de ação, Alva Belmont, fabulosamente rica, uma grande organizadora e construtora da “Marble House”, sua incrível versão autêntica de uma casa de chá chinesa, Emma Parkhurst, a sufragista britânica que explorava salões de chá para reunir e armazenar pedras e estilingues para uso em ações civis, Mary Shaw, uma das maiores atrizes de sua geração e uma pessoa maravilhosa e calorosa mentora que usava salões de chá para reunir jovens mulheres na indústria do teatro.

O que há de especial em todas essas pessoas e contextos é que elas se concentram nesse chá que amamos, mas acrescentam muito a ele. As histórias são evocativas em si mesmas, ricas em lições, marcadores da história e sinais ao longo do caminho em que a inovação do chá está se movendo hoje. O chá sempre terá algo especial e muitas vezes novo para comemorar. Talvez deva haver um dia Universal do Chá.

Independentemente disso, o chá ressoa e evoca, agrada e ensina, e é experimentado na xícara ou outro acessório, mas informa a mente e satisfaz o corpo. É também uma estética que alimenta nossa apreciação de estilo, graça, design, tradição e experiência. James Norwood Pratt captura esta última evocação de maneira simples e breve: “O chá é tranquilo e nossa sede de chá nunca está longe do nosso desejo de beleza”.

Essas muitas dimensões do chá estão sempre em segundo plano, à espera de serem trazidas para o primeiro plano. É isso que torna o chá tão especial. Não é apenas uma bebida.

Tradução livre Elizeth R.S. v.d.Vorst

Written By
More from Peter G.W.Keen
Fertirrigação do chá: Alimentação de precisão
A fertirrigação é a distribuição de fertilizantes solúveis em água por meio...
Read More
0 replies on “Por que o chá é tão especial?”