Entrevista com Shabnam Weber -“World Tea News”

Shabnam Weber, Tea and Herbal Association of Canada. Photo: Courtesy of Shabnam Weber.

Falar sobre chá sem pensar em Shabnam Weber é algo que a Tea Friends não pode deixar de lado. Afinal foi nossa mestra e hoje é presidente da Associação de Chá e Ervas do Canadá.

Compartilhamos os mesmos sentimentos sobre a indústria e a comunidade do chá e nos identificamos enormemente com seus pensamentos.

Reproduzimos abaixo a entrevista realizada pela World Tea News em 3 de fevereiro deste ano por Aaron Kiel, onde demonstra seu engajamento nesta indústria e comunidade do chá. Também nos revela a simplicidade e personalidade de uma grande mulher, realmente uma de nossas melhores “teafriends”.

“Shabnam Weber, há muito tempo, vê a situação da indústria do chá como positiva – por  Aaron Kiel- 3/fev/21

Shabnam Weber – a presidente da Associação de Chá e Ervas do Canadá – é uma autoridade líder e voz da indústria em tudo que se refere a chá no Canadá. A associação, que representa os membros do arbusto à xícara, oferece liderança pró-ativa nas áreas de defesa, promoção genérica, educação e informação, a fim de garantir a viabilidade a longo prazo da indústria do chá. Também serve como fonte de informação e pesquisa sobre o chá, e oferece um programa de Certificação Tea Sommelier que pode ser realizado em qualquer lugar do mundo.

(Weber apresentou a sessão de abertura do  World Tea Virtual Summit da Questex, que aconteceu de 15 a 16 de março de 2021. O programa de engajamento digital (de participação gratuita) reuniu a indústria global de chá, mais uma vez, para explorar oportunidades, desafios e tendências)

“Conectar-se com as pessoas é um elemento muito importante da indústria do chá, e a incapacidade de fazer isso desde março passado tem sido chocante para muitos de nós”, compartilha Weber. “Mas conectar-se – mesmo que seja virtualmente – é um grande lembrete de uma comunidade à qual todos pertencemos.”

…. World Tea News conversou com Weber sobre como ela começou na indústria do chá, o que ela acredita serem as questões mais importantes do chá, o estado da indústria do chá no Canadá e seus conselhos para a indústria durante um momento desafiador.

Photo: Courtesy of Shabnam Weber

Pergunta: Olá, Shabnam. Obrigado pelo seu tempo! Em primeiro lugar, quando você aprendeu a apreciar o chá e como começou na indústria do chá?

Resposta: Não me lembro de uma época em que o chá não fizesse parte da minha vida. Eu cresci tomando chá em casa – um samovar estava sempre preparado e o chá estava sempre disponível. Chá preto com leite e açúcar para começar. Eu diria mais leite e açúcar do que chá, talvez quando era criança, e à medida que fui crescendo, a proporção de leite e açúcar para chá mudou.

Mas não posso dizer que tinha alguma ideia sobre as nuances e variedade dos chás até o final da adolescência e início dos vinte anos. O fato de haver algo além do chá preto com o qual cresci foi uma revelação e abriu um mundo inteiro para mim.

Meu início na indústria do chá aconteceu depois de morar na Alemanha. Entrar em lojas de chás especiais pela primeira vez foi de tirar o fôlego. Ver vasilhas de chá do chão ao teto me hipnotizou. Ter o dono da loja falando comigo sobre chás de diferentes regiões, variações de sabor em chás verdes colhidos em diferentes estações do ano me fez sentir incrivelmente sofisticada. Eu fiquei viciada e intoxicada pelo que parecia ser um lindo mundo exótico do qual eu queria fazer parte.

Quando voltei ao Canadá, anos depois, sabia que precisava reproduzir a sensação de alegria que senti ao entrar em minha primeira casa de chá. Eu sabia que não estaria sozinha neste amor e o quanto uma loja de chá especializada pode fazer às pessoas gerando sentimentos a uma bebida verdadeiramente bela.

Então, a verdade é que sempre apreciei o chá de uma forma ou de outra. Mesmo aquele chá preto na casa da minha mãe com leite e açúcar foi preenchido com a apreciação do que oferecia – conforto. São apenas os tipos de chá que aprendi a apreciar e que mudaram com o tempo.

Shabnam Weber segurando as mãos de um pequeno agricultor de chá em Malawi.

Pergunta: O que você mais ama em trabalhar na indústria do chá?

Resposta: Se eu tivesse que me limitar a uma coisa, sempre seriam as pessoas. Estar cercado por pessoas que realmente amam o trabalho que fazem é uma bênção sobre a qual não acho que muitos de nós refletimos com frequência suficiente. A indústria do chá é infecciosa – deixá-la é difícil. Ouvir as pessoas falando sobre chá é uma das coisas mais bonitas do mundo. Existe um amor e uma paixão por este produto, que acredito ser encontrado em muito poucos setores. Uma paixão que se estende desde a pessoa que faz o chá até a pessoa que o bebe, muitas vezes a milhares e milhares de quilômetros de distância entre si.

É um privilégio ser uma das muitas pessoas ao redor do mundo que cuidam de um produto que tem nutrido a humanidade por milhares de anos e continuará a nutrir muito depois que tivermos partido e tivermos passado a responsabilidade para os próximos.

Pergunta: Como sua experiência na indústria do chá é variada – você era proprietário de uma empresa especializada em chás, uma escola de chá e, é claro, atualmente é presidente da Tea and Herbal Association of Canada – isso lhe dá uma perspectiva única na indústria. Com base nisso, como você acha que está o estado da indústria do chá no momento?

Resposta: Como otimista, há muito vejo o estado da indústria do chá como positivo. Nós prosperamos quando comunicamos a mensagem de saúde do chá aos consumidores. E floresceremos novamente agora, se comunicarmos a importância humana do chá, a conectividade com os agricultores, a bondade do chá para o seu bem-estar geral – os elementos que são tidos em alta conta por uma nova geração de consumidores e os valores que o chá é inerentemente considerado parte de sua identidade.

Foto: cortesia de Shabnam

Pergunta: O que a indústria do chá precisa fazer para levar o chá ao próximo nível com os consumidores? Ou isso já está acontecendo agora, na sua opinião?

Resposta: Acho que até certo ponto e, em algumas áreas, isso está acontecendo e em outras precisamos fazer mais – e isso está elevando o valor do chá. Subestimamos tremendamente o chá e, por sua vez, criamos uma cultura de consumo que espera que o chá venha custar alguns centavos. Acredito que prestamos a nós mesmos e ao nosso produto um imenso desserviço. E a verdade é que os consumidores estão dispostos a pagar mais pelos produtos se acreditarem que estão recebendo um valor mais alto.

Pergunta: Que conselho você daria para as empresas de chá que estão promovendo seus chás especiais para os consumidores? Há algo que eles precisem fazer em termos de educar os clientes?

Resposta: O primeiro conselho que dou a qualquer empresa de chás especiais é se concentrar no que você está fazendo e no que está oferecendo a um consumidor que é único. O que estou adicionando à conversa? Fique longe de tentar vender seu produto depreciando seus concorrentes. É uma aparência muito ruim e me faz estremecer sempre que vejo.

Quando você está comunicando / educando seus consumidores – mantenha as coisas simples. Você pode ter um conhecimento enciclopédico de chá, mas seu cliente não deve precisar de um diploma para comprar seu chá – e o pior de tudo, eles não devem sentir que precisam de um diploma.

Pergunta: Os chás especiais alcançarão a mesma popularidade que os cafés especiais?

Resposta: Quando falamos sobre o chá alcançando a mesma popularidade que o café – vamos deixar claro que ele já alcançou no mundo em geral. Depois da água, o chá é a segunda bebida mais consumida do planeta. Passamos muito tempo na América do Norte falando do chá como uma bebida perseguindo o sucesso do café – quando em outras partes do mundo, ultrapassamos em muito o café. Portanto, minha resposta é – sim, acredito que isso também pode ser alcançado na América do Norte!

Pergunta: Quais são as questões mais importantes na indústria do chá no momento e por quê?

Resposta: Minha resposta aqui será baseada em duas extremidades. Em uma extremidade está o campo, onde o chá enfrenta dois desafios críticos: mudanças climáticas e escassez de mão de obra. A primeira é enfrentada por todos os produtos agrícolas – a realidade de um planeta sendo 1,5ºC mais quente até o ano 2050. A segunda, a escassez de mão de obra vem com o desejo de cada geração querer mais e melhor para seus filhos. À medida que os jovens deixam a vida rural com a promessa de melhorar de vida, em países onde a maior parte do nosso chá ainda é colhido à mão, já se sente uma escassez de mão de obra e isso só tende a se acelerar.

Do outro lado do espectro está o marketing e a promoção do chá. O chá é uma indústria muito tradicional e “antiquada”, o que é em parte o seu charme. Mas quando se trata de marketing e promoção, não podemos ser tradicionais e antiquados. Na verdade, precisamos ser o oposto. Precisamos nos adaptar à maneira como nos comunicamos com os consumidores – novos consumidores – de maneiras inovadoras e estimulantes. Não tenho certeza se descobrimos como fazer isso.

Pergunta: Que conselho ou palavras de incentivo você daria para as empresas de chá que enfrentaram desafios durante a pandemia?

Resposta: Alguns, na indústria do chá, prosperaram durante a pandemia e outros sentiram muita dor. Essa linha tem sido freqüentemente traçada entre aqueles que atendem ao consumo dentro de casa versus o consumo fora de casa. Então, para aqueles que enfrentaram desafios, encorajo você a olhar para as lições que os consumidores estão nos ensinando em áreas onde as compras não foram impedidas devido a bloqueios.

O consumo de chá em casa aumentou muito porque os consumidores nos disseram que o chá os faz sentir bem. Eles buscaram conforto em uma época muito difícil e o chá tem sido uma das fontes que proporcionou esse conforto. Como podemos continuar a desenvolver essa mensagem – porque AQUELES bebem chá pela vida toda. À medida que as vacinas são implementadas e os bloqueios eventualmente diminuem, as pessoas ficarão desesperadas por experiências fora de casa – como você pode fornecer isso por meio de seu negócio de chá? Planejar com antecedência e ser flexível em seu planejamento é o que eu encorajo a todos a fazerem.

Pergunta: Conte-nos sobre a Associação de Chá e Ervas do Canadá e seus membros. Qual é a missão da organização?

Resposta: A Tea and Herbal Association of Canada foi estabelecida em 1954 como o Tea Council e tem existido desde então em várias iterações. Começamos a usar ervas em 2016, nos tornando  Associação de Chá e Ervas do Canadá.

Atuamos em nome de nossos membros, que incluem uma ampla gama de categorias em toda a cadeia de abastecimento. Eles incluem países produtores, importadores, embaladores, comércio aliado, varejistas e profissionais de sommelier de chá da TAC.

Nossa missão é ser a voz absoluta da indústria de chá e ervas, responsável pelas relações governamentais / gerenciamento de questões, defesa e fornecimento de RP e comunicação aos consumidores e à indústria.

Nossa visão é ser a autoridade líder e a voz da indústria em todas as coisas de chá e ervas no Canadá. Mas, realmente, em poucas palavras, vejo nosso papel como tornar o trabalho, que nossos membros fazem em seus negócios do dia-a-dia, um pouco mais fácil. Se houver regulamentos governamentais que possamos interpretar para você, o faremos. Se houver pesquisas que o ajudem a tomar decisões em sua empresa, nós as forneceremos. Se elevar o perfil do chá para os consumidores canadenses ajudará a aumentar o consumo de chá, então é para isso que estamos aqui.

Pergunta: Qual é a situação da indústria do chá no Canadá?

Resposta: O Canadá, como país, é sempre estável e a indústria do chá é bastante consistente com isso. Temos continuado a ver um crescimento lento e constante do chá nos últimos 10 anos e não vejo esse declínio. No ano passado, o chá teve um grande crescimento no consumo de chá doméstico aqui no Canadá, e isso é encorajador. Digo encorajador, porque em casa é onde as pessoas formam hábitos. Precisamos agora traduzir esses hábitos em consumo de serviços de alimentação à medida que vemos nossas economias se reabrirem.

Pergunta: Você é o autor do programa Tea and Herbal Association of Canada’s Tea Sommelier. Conte-nos sobre isso e as oportunidades de carreira para sommeliers de chá.

Resposta: O programa Tea Sommelier certificado pelo TAC tem sido meu bebê por mais de uma década. Eu escrevi o programa muito antes de estar em minha posição atual, e o fiz exclusivamente com base em minha forte crença na necessidade de uma educação centralizada na indústria do chá.

Escrevi o programa para o THAC e vendi todos os direitos por 1 dólar. Então, acredite em mim quando digo, não era pelo dinheiro. O programa é uma visão geral abrangente do chá – de onde vem, como é processado, como é consumido etc. Ele fornece aos alunos uma base sólida e, obviamente, serei tendencioso quando digo que é um excelente trabalho.

Também acrescentarei que não acredito que sua educação em nada seja completa com apenas um programa. O chá é tão incrivelmente matizado e em camadas que um único programa nunca irá capturar tudo. Sempre incentivei os alunos a usar este programa para desenvolver outros em que possam estar interessados. Nossos alunos atualmente trabalham em grandes empresas de chá, outros iniciaram seus próprios negócios de chá – online ou em lojas físicas. Eu diria que a oportunidade, como em qualquer forma de educação, está no que você escolhe fazer dela.

Pergunta: Que conselho você daria para alguém que está começando na indústria do chá?

Resposta: seja humilde. Lembre-se de que não importa o quanto você saiba sobre chá, outra pessoa pode saber algo que você não sabe. A única maneira de ser melhor é manter a humildade em saber que sempre há mais para aprender. E o mais importante, não presuma saber com quem e onde você vai aprender algo. Algumas das minhas lições mais importantes vieram de áreas inesperadas.

Pergunta: Obrigado pelo seu tempo! Última pergunta: você tem um chá ou ritual de chá favorito?

Resposta: Eu tenho um amor profundo por Oolongs, aqueles levemente oxidados. A doce fragrância, as camadas de sabores, sempre me fazem feliz. Mas devo dizer que, ironicamente, com todos os chás fabulosos a que tenho acesso, meu ritual favorito continua sendo minha bebida de infância – chá preto forte com apenas um pouco de leite – sentado em uma grande poltrona com um cobertor e meu livro.

Para saber mais sobre a Associação de Chá e Ervas do Canadá, visite “Tea.ca.”

( Tradução livre: Elizeth R.S.v.d.Vorst)

Written By
More from Tea Friends
Johan Jansen- Um jovem empreendedor
Os países baixos nos trouxeram grandes amizades dentro do Universo do Chá....
Read More
0 replies on “Entrevista com Shabnam Weber -“World Tea News””