“Frost Teas”

Foto de Aravinda Anantharaman em sua última viagem aos Nilgiris

Quando perguntei aos “amigos do chá” em Coonoor, se os “frost teas” estavam prontos, acrescentaram: “Não está frio o suficiente”.  É hora de  colocar os holofotes nos Nilgiris. Agora é o chá especial da temporada. São de uma categoria especial dessas colinas e surge quando as temperaturas caem para níveis abaixo de zero.

Ligo para K. Gopal Krishnan, diretor do jardim Glenworth, para uma aula rápida. Ele diz que o aroma do chá é intensificado no inverno pela maior presença de salicilato de metila nas células das folhas. A seiva celular concentra-se à medida que os dias mais curtos e as noites longas e frias diminuem o crescimento.

Um dos jardins mais altos do Nilgiris é Korakundah, cerca de 8.000 pés acima do nível do mar. Rajesh Thomas, o vice-gerente geral desta propriedade histórica, pinta uma bela imagem de campos de chá nas manhãs geladas de inverno, cobertos por uma camada de gelo, “dando a impressão de ter nevado”. Mas enquanto as temperaturas à noite podem cair para menos 5-7 graus Celsius, as temperaturas diurnas oscilam entre 23-25 ​​graus Celsius. Essa grande disparidade de temperatura resulta em baixa umidade, diz Thomas, criando as condições para um chá excelente.

A colheita ocorre no início da manhã, quando ainda está muito frio. Tanto Gopal Krishnan quanto Thomas dizem que as folhas de chá verde são colhidas e processadas com muito cuidado, para garantir que as folhas não sejam danificadas. Se a folha estiver “danificada”, ela entra no estágio de oxidação muito cedo. O ar extremamente frio e seco é usado para o murchamento das folhas. O rolamento, diz Gopal Krishnan, é suave, apenas o suficiente para liberar os sucos da folha de modo que manche a superfície da folha. As folhas então sofrem oxidação em  baixas temperaturas.

Muitos entusiastas do chá tentam encontrar um paralelo entre esses chás e um Darjeeling (também terreno de alta altitude, como os Nilgiris), mas se você me perguntar, é uma comparação injusta e desnecessária. Devo confessar, porém, que tenho uma queda pelos Nilgiris.

Quando bem feito, o “frost tea” de inverno dos Nilgiris tem uma cor laranja brilhante e alegre. Tem o cheiro das colinas, das manhãs de inverno, de flores e plantas crescendo selvagens. O gosto é ótimo e sim, aquele aroma floral contribui para a celebração das belas florestas de Shola.

Esta é uma temporada de chás pretos, e estou ansiosa pelos “frost teas” das propriedades Glendale, Havukal, Korakundah, Kairbetta, Chamraj e Parkside.

Frost Tea Parkside
Foto de Elizeth v.d.Vorst
More from Aravinda Anantharaman
C- Chás Artesanais Indianos
O chá indiano traz à mente a ideia de que produzimos muito...
Read More
0 replies on ““Frost Teas””